Gestão estratégica

No âmbito do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas a implementação formal da gestão da estratégia remonta ao ano de 2009 quando da aprovação do Planejamento Estratégico para o período 2010-2014, através da Resolução TRE/AL nº 14.992, de 17 de dezembro de 2009, sendo que sua vigência foi prorrogada até 31 de dezembro de 2015 pela Portaria da Presidência do Tribunal nº 906 de 22 de dezembro de 2014.

No que se refere ao segundo ciclo do Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral de Alagoas, os trabalhos foram iniciados em 2015 seguindo a metodologia do Balanced Scorecard (BSC), mantendo-se o alinhamento à Estratégia do Poder Judiciário e à Estratégia da Justiça Eleitoral. Ademais, buscou-se a manutenção terminológica da missão, da visão de futuro e dos atributos de valor do planejamento estratégico anteriormente vigente; adotou-se, também, a análise de cenários através de pesquisa disponibilizada na internet e intranet, direcionadas respectivamente aos públicos externo e interno, e a realização de entrevistas com os gestores do Tribunal mediante a aplicação de questionários. Outrossim, adotou-se os macrodesafios (equivalentes aos objetivos estratégicos), aprovados no VII Encontro Nacional do Poder Judiciário, que orientaram a identificação de iniciativas estratégicas e a formulação de indicadores de resultado.

Desses trabalhos, resultou o novo planejamento estratégico do TRE/AL, contemplando a missão e a visão de futuro, além de oito valores, três perspectivas (Sociedade, Processos Internos e Recursos), oito Macrodesafios (objetivos estratégicos), dezessete indicadores estratégicos e trinta e quatro iniciativas estratégicas.


Missão

Garantir a legitimidade do processo eleitoral.

 

Visão de futuro

Consolidar a credibilidade da justiça eleitoral, especialmente quanto à efetividade, transparência e segurança.

 

Valores

• Acessibilidade: garantir o direito constitucional do cidadão de acesso à Justiça Eleitoral;

• Modernidade: propiciar a adoção de soluções modernas alicerçadas em novas tecnologias;

• Celeridade: ressaltar o combate à morosidade na entrega da prestação jurisdicional;

• Transparência: garantir o acesso às informações, ações e decisões institucionais;

• Responsabilidade Social e Ambiental: atuar para a promoção da cidadania e para o uso racional de recursos naturais e bens públicos por meio de práticas sustentáveis;

• Imparcialidade: primar por julgamentos retos e justos;

• Ética: garantir a atuação sob os princípios da honestidade, lealdade e dignidade;

• Probidade: garantir a atuação com honestidade e integridade em todas as suas ações.

RESOLUÇÃO Nº 15.904

(09/07/2018)

Aprova o Regulamento da Secretaria do Tribunal Regional de Alagoas. 

(...)

 

TÍTULO III

DA COMPETÊNCIA DAS UNIDADES 

(...)

 

CAPÍTULO IV

DA DIRETORIA-GERAL 

(...)

 

Seção IV

Da Assessoria de Gestão Estratégica

 

Art. 48 À Assessoria de Gestão Estratégica compete:

I – assessorar o Diretor-Geral na definição de planos de ação e na fixação de diretrizes;

II – assessorar o Diretor-Geral na coordenação do processo de planejamento do Tribunal, bem como na interligação e compatibilização de planos globais, gerenciais e operacionais;

III – atuar na coordenação de projetos sobre racionalização de métodos, procedimentos e rotinas a serem implantados nas unidades do Tribunal;

IV – analisar propostas de regulamentação dos serviços afetos a cada uma das secretarias, encaminhadas à apreciação do Diretor-Geral;

V – promover estudos, analisar proposições e apresentar projetos sobre a estrutura orgânica do Tribunal;

VI – elaborar propostas de regulamentação dos serviços administrativos da Secretaria do Tribunal;

VII – assessorar o Diretor-Geral na elaboração, implementação e atualização periódica do planejamento estratégico do Tribunal;

VIII – acompanhar junto às unidades administrativas do Tribunal a implementação das ações necessárias à consecução dos objetivos definidos no plano estratégico;

IX – propor os ajustes necessários no plano estratégico para a consecução dos objetivos institucionais;

X – acompanhar e avaliar o cumprimento das metas estratégicas da organização;

XI – supervisionar a gestão das iniciativas estratégicas e promover a divulgação de ações e resultados referentes ao planejamento estratégico;

XII – participar do processo de elaboração da proposta orçamentária no que diz respeito às orientações sobre prioridades do planejamento estratégico.